Auxílio emergencial 2021 é prorrogado até outubro com mesmo valor; veja regras

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Aline 13/07/2021 Relatar Quero comentar

A prorrogação do auxílio emergencial não permitirá a inscrição de novos beneficiários a exemplo do que ocorreu nas quatro primeiras parcelas deste ano

Oque oficializa a  prorrogação do auxílio emergencial 2021 até outubro - mais três parcelas - foi publicado nesta terça-feira (6) no Diário Oficial da União. O documento  e criado pela  ;  R$ 150 para famílias de uma só pessoa, R$ 250 para famílias de duas ou mais pessoas e R$ 375 para mães chefes de família monoparental.

Anunciada na segunda-feira (5) pelo  presidente Jair Bolsonaro, a  prorrogação do pagamento do benefício não permitirá a inscrição de novos beneficiários a exemplo do que ocorreu nas quatro primeiras parcelas deste ano. E só quem teve a ajuda federal em 2021  poderá contestar um eventual não recebimento da extensão no .

A quinta, sexta e sétima parcelas do auxílio emergencial 2021 serão pagas em agosto, setembro e outubro, mas  as datas de pagamento (depósito) para o público em geral ainda não foram definidas e devem ser divulgadas pelo  Ministério da Cidadania e pela  Caixa Econômica Federal (CEF), responsável pelos pagamentos.

Para quem recebe o programa Bolsa Família, nada muda. Os repasses continuam sendo feitos de acordo com o calendário do programa.

Qual será o valor da prorrogação do auxílio emergencial?

Famílias 'unipessoal' (com um indivíduo) -  R$ 150 Famílias com duas ou mais pessoas -  R$ 250 Mães chefes de família monoparental -  R$ 375

Pelas  regras, só será permitida o pagamento de  uma cota por família e a  renda mensal total tem de ser  de até três salários mínimos, desde que a  renda por pessoa seja  inferior a meio salário mínimo.

É necessário também que  o beneficiário tenha sido considerado elegível até o mês de dezembro de 2020, pois não  há nova fase de inscrições. ( veja regras completas abaixo)

Quais são as regras para receber ao auxílio emergencial 2021?

A renda por pessoa da família não pode passar de  até meio salário mínimo (R$ 550) A renda total do grupo familiar deve ser de  até três salários mínimos (R$ 3.300) Só será permitida o pagamento de  uma cota por família Ter mais de 18 anos Não ter emprego formal Não ter tido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019 ou rendimentos isentos acima de R$ 40 mil naquele ano Não ser dono de bens de valor superior a R$ 300 mil no fim de 2019 Estão excluídos os  residentes médicos, multiprofissionais, beneficiários de bolsas de estudo, estagiários e similares Ficam de fora também as pessoas que receberam qualquer tipo de  benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de transferência de renda do governo em 2020, com exceção do Bolsa Família e abono salarial.

Quem recebe Bolsa Família vai continuar recebendo o auxílio emergencial 2021?

Quem pertence ao  Programa Bolsa Família (PBF) e se enquadra nos critérios vai continuar recebendo as parcelas do auxílio emergencial 2021.

Para este público, continua valendo a regra do valor mais vantajoso, seja a parcela paga no programa social, seja a do auxílio emergencial.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário