INSS: veja como vai funcionar a análise remota para concessão de BPC a idosos e pessoas com deficiência

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Aline 14/07/2021 Relatar Quero comentar

O Instituto Nacional do Seguro Social ( INSS) divulgou, nesta terça-feira (dia 13), as  regras para a implantação do projeto-piloto que vai permitir a a nálise remota dos pedidos de Benefício de Prestação continuada (BPC/Loas) — concedido a idosos acima de 65 anos e pessoas com deficiência, desde que comprovem baixa renda. O  período de experiência vai de 26 de julho a 27 de agosto de 2021, com o objetivo de  atender a uma recente determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), agilizando a liberação desses pagamentos.

As regras constam da Portaria 1.328, publicada no Diário Oficial da União. Segundo o projeto-piloto, as análises dos pedidos de BPC/Loas serão feitas de forma remota por assistentes sociais do INSS ou analistas do seguro social com formação em Serviço Social. A ideia é reduzir a longa fila de benefícios assistenciais à espera de concessão.

A avaliação virtual será permitida apenas para os pedidos iniciais de benefícios. Não poderá ser adotada em casos de revisão ou recurso.

Como será feita a análise remota

A análise remota dos pedidos de BPC/Loas será feita por meio de uma  plataforma de videoconferência oferecida pelo INSS. No entanto, para isso, o  requerente deverá estar obrigatoriamente nas dependências do instituto.

Para esse procedimento, serão usadas salas do órgão que tenham equipamentos adequados (câmera, microfone, link e apoio técnico).

Num primeiro momento, o INSS será o responsável por agendar a avaliação remota e comunicar a data e o horário ao cidadão, explicando todas as etapas e o objetivo da proposta. Se o requerente concordar com a análise virtual, o INSS deverá verificar se ele necessita de serviços ou recursos de acessibilidade.

No dia e no horário agendados, o pessoal de apoio técnico vai levar o requerente à sala de atendimento — após sua senha ser chamada —, aguardar a entrada virtual do servidor responsável pela avaliação remota e confirmar a identificação do requerente (este deverá apresentar um documento válido).

Depois disso, não será permitida a presença de terceiros durante a análise remota, para resguardar a privacidade e o sigilo das informações a serem tratadas. Somente será permitida a presença de acompanhantes nos casos excepcionais previstos em lei.

Se a análise não for concluída por necessidade de informações complementares, caberá um novo agendamento feito pelo segurado, realizado exclusivamente pela Central 135, no prazo máximo de 30 dias.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário