Uma visão simplificada (e realista) do Planejamento Financeiro Pessoal

Matérias Oficiais(+10% Clicks) - Aline 03/06/2021 Relatar Quero comentar

O mercado está saturado com conselhos e informações sobre finanças pessoais. Então por que tantas pessoas estão perdendo oportunidades de estarem mais próximas de seus sonhos?

Estamos tomando decisões erradas e sofrendo as consequências. Sonhar é bom, mas quando se diz respeito às nossas finanças pessoais, devemos parar de correr atrás de fantasias. Decida o que realmente quer, tome decisões que tenham sentido, mas não conte com a sorte! Organizar os seus objetivos pessoais e traçar planos factíveis vai te ajudar a investir com inteligência, assegurar o seu futuro financeiro e viver uma vida mais feliz.

O que nós deveríamos fazer e o que nós realmente fazemos

Você alguma vez se pegou fazendo algo que não deveria? Como comer um terceiro pedaço de bolo mesmo quando você quer perder peso?

Existe uma diferença entre o que deveríamos fazer e o que realmente fazemos. Isto está ligado ao nosso desejo natural de evitar a dor, o que nos leva a agir irracionalmente.

Um efeito que é comumente chamado de mentalidade de rebanho é aquele em que nos comportamos exatamente como aqueles ao nosso redor, sem pensar nas nossas próprias decisões. É por isso que pensamos ser mais seguro fazer o que ‘todo mundo está fazendo’.

Ao invés de agir racionalmente, a gente se anima e deixa as emoções guiarem nossas escolhas. Para lutar contra isso, foque nos seus objetivos e na sua realidade.

Você não consegue prever o futuro, só pode controlar seu próprio comportamento.

Ao invés de caçar o melhor investimento do mundo, tome decisões financeiras baseadas nos seus objetivos pessoais

Você já se perguntou qual é o melhor investimento do mundo? Se sim, você está fazendo a pergunta errada.

Planejar o futuro leva em consideração viver hoje e  guardar para amanhã, tendo sempre em vista seus objetivos.

Já que é impossível prever como o investimento vai performar com o tempo, não existe o ‘melhor’ investimento. Ao invés de perseguir este unicórnio, julgue o quão adequado é aquele investimento de acordo com o objetivo ao qual ele se destina.

Nenhum investimento agradará todo mundo, então se pergunte qual o melhor PARA VOCÊ. A resposta dependerá de fatores pessoais – seus objetivos, personalidade, bens, planos e até seu crédito no mercado.

Por exemplo, se você quer bancar a faculdade das crianças, você pode abrir um fundo só com este objetivo. Mas é claro que ele não vai ser útil se elas não tiverem uma educação de qualidade nos próximos anos ou – em um caso mais extremo – não tiverem onde morar na semana seguinte. O investimento é uma das peças do seu quebra-cabeça de planejamento financeiro pessoal.

Algumas pessoas não pensam assim. Lidam com seus investimentos baseados em recomendações de terceiros, sem uma estratégia coesa e personalizada. Mas a partir de hoje, você não faz mais parte desse grupo!

Suas decisões financeiras devem ser baseadas em princípios, não em emoções. Devem ser julgadas levando em consideração como elas te ajudam a alcançar seus objetivos.

Comentário do usuário